Manutenção do carro – segredos da manutenção do carro com baixo custo

Na semana passada, você, leitor do Blog da Itaro, ficou de cabelos em pé ao ler o post que falava sobre a burocracia que cerca a fabricação das peças de carro no Brasil. Além disso, ficou sabendo qual é o melhor modelo para comprar se o seu objetivo é ter pouca – ou nenhuma – dor de cabeça com o seu veículo.

No post desta semana, chegou a hora de você ficar por dentro da relação custo X benefício das peças automotivas, além de saber qual é o valor de mercado dessas pequenas coisas controladoras do nosso bom humor.

A primeira coisa que você deve levar em consideração na hora de trocar de carro é a emoção. Preço, visual, espaço interno. Tudo isso é muito legal, mas o custo da manutenção, depois que o vendedor lhe entrega a chave, deve, e muito, ser considerado. Acredite se quiser: um bom pós-venda tem o poder de emplacar – ou de desmoralizar – um carro. Quem pode confirmar isso, com conhecimento de causa, são os carros chineses: eles vêm bem equipados – muitos deles são considerados “completos” para o padrão brasileiro, contando com ar condicionado, direção hidráulica, entre outras coisas que caíram no gosto do consumidor brasileiro – mas suas vendas são baixas. Chery e Jac Motors suam a camisa para entrar na preferência nacional. E por quê? Resposta: rede de concessionárias pequena e, consequentemente, ausência de peças. Resultado: medo do consumidor de comprar o veículo.

A história também mostra o outro lado da moeda: carros como o Fusca, ou a eterna Kombi, que está caminhando para a sua última e derradeira versão agora, comprovaram que investimento seguro é comprar aquele carro que tem manutenção fácil e ampla disponibilidade de peças.

Uma vez colocada a emoção de lado e apelando para o lado da razão, a segunda dica infalível é: pesquise. Pesquise muito, já que o valor das peças pode variar quase em até 400% de uma loja pra outra! Por exemplo, uma pacote comum de um carro nacional sedã 2.0, composto por óleo de motor, filtro de óleo e filtro de ar, custa, em média, R$140. Já o mesmo modelo de uma montadora alemã não sai por menos R$700. Ou seja, uma diferença de quase 400%.

O que fica de tudo isso é aquela velha máxima de que manter um carro nacional geralmente é mais barato do que manter um carro importado. Aí vai um pequeno comparativo: 

  • pastilhas e discos de freio Jeep Cherokee 2009 (carro vem dos EUA): R$2.500,
  • lanterna traseira Chevrolet Captiva 2011 (carro vem do México): R$760,
  • lanterna traseira Honda CRV 2011 (carro vem do México): R$ 1.280,

 

A terceira dica que é interessante para você, que, como já dito, não quer ter dores de cabeça com as peças do seu carro, é verificar a rede de concessionárias. Veja se ela é ampla, se atende em vários lugares, e se seu fluxo de peças é intenso. Caso você tenha comprado um carro 0km, veja qual é o tamanho da garantia que o veículo oferece. Tudo bem que, para manter a tal garantia, você é “obrigado” a fazer as manutenções em concessionárias autorizadas, pois, caso contrário, elas não dão o bendito “carimbo”, que justamente mantém a garantia do seu veículo. Claro que essas vistorias têm um custo e é aí que você tem de ficar esperto: veja qual é o tamanho do custo dessas revisões e tome cuidado para não comprar gato por lebre.

custo_carro_itaro_blog

Fique de olho nas reclamações

Se você não é um daqueles que procura saber sobre a opinião das pessoas antes de adquirir um produto, acho bom começar a repensar esse seu conceito. Hoje em dia, a internet é uma grande aliada quando o assunto é comprar corretamente. Há muitos sites confiáveis especializados em reclamações. O mais famoso deles é o Reclame Aqui. Você pode visitar o site para consultar os maiores problemas que os veículos costumam dar e também para verificar a procedência das peças: se são confiáveis ou não. É claro que, mesmo nesse momento, é interessante ter equilíbrio; afinal de contas, verifique a quantidade de reclamações diante da quantidade de carros vendidos. Se a média for alta, fuja.

Por fim, olhe o preço dos seguros. Seguro muito alto pode ser sinal de dificuldade para encontrar peças de reposição. Ou seja, sinal de problema. Mais uma vez, palavra de ordem: pesquise.

  Citroen e Renault: custo de peças mais barato do Brasil

Tudo bem: você deve estar surpreso. Afinal, carros de fabricantes franceses terem reconhecidamente o custo de reparação mais barato do Brasil não é exatamente algo que se espera. Mas, calma: vale lembrar que ambas as montadoras possuem fábricas no Brasil, o que justifica o baixo custo das peças. Vale dizer que a fonte dessa informação é o Cesvi Brasil (Centro de Experimentação e Segurança Viária). A lista leva em conta as variações de preço da cesta básica do carro (peças mais utilizadas em um reparo automotivo, como para-choques, e mais utilizadas em reparos cotidianos do veículo, como filtro de ar – não tem nada a ver com preços de revisão nem com índices de consumo de carro) .

O ranking divulgado com carros com custo de peças mais baratos do Brasil contava, além do Critoen C3 e do Renault Clio, o Peugeot 408, o Nissan Tida e o Fiat Bravo. Mais uma vez, vale lembrar que os carros de fábricas importadas colocadas na lista contam com fábricas radicadas no Brasil (a mais recente a ser ampliada será a da Nissan, que, a partir do ano que vem, fabricará o hatch compacto Nissan March em Resende, no Rio de Janeiro).
Como aqui, no Blog da Itaro, você não perde nenhum detalhe, abaixo, vai um índice com os carros que possuem menor preço de manutenção das suas peças por categoria. Não dá para não conferir:

  • Hatch compacto: Citroën C3
  • Hatch compacto off-road: Renault Sandero Stepway
  • Hatch médio: Peugeot 308
  • Hatch médio off-road: Suzuki SX4
  • Minivan compacta: Citroën C3 Picasso
  • Minivan média: Citroën C4 Picasso
  • Picape compacta com cabine simples: Volkswagen Saveiro
  • Picape compacta com cabine estendida: Fiat Strada
  • Picape média: Nissan Frontier
  • Sedã compacto: Volkswagen Polo
  • Sedã médio: Peugeot 408
  • Perua compacta: Volkswagen SpaceFox
  • Perua média: Renault Grand Tour
  • Utilitário esportivo (SUV): Renault Duster

 

(Via concessionárias Caltabiano, Nova, Osten e Daytan)