Como escolher a potência para seu som automotivo?

Existem diferentes perfis de usuários de som automotivo. Há o convencional, que utiliza o som do carro apenas para ouvir música ou noticiários. Há também o perfil misto, que costuma variar a intensidade do volume do som de acordo com a ocasião. E, por fim, chegamos ao usuário de perfil tunado, que participa de competições, é especialista em som e está sempre por dentro das novidades sonoras automotivas.

 

potencia-somMas afinal, o que esses perfis citados têm a ver com potência automotiva? Tudo! Se a pessoa quer um som legal no carro mas não sabe como usar a potência de forma correta, corre o risco de prejudicar o equipamento de som utilizado, desperdiçando dinheiro.

 

No Brasil, geralmente você vê potências definidas como PMPO e RMS. Vamos às diferenças: Potência PMPO é a sigla de “Peak Music Power Output” (Potencia de Saída de Pico Musical), criada pelos próprios fabricantes e que não deve ser levada em consideração, afinal, atualmente cada fabricante tem o seu número de potência PMPO e não há padrão para comparação entre sistemas de diferentes marcas.

 

Quando falamos de potência RMS, estamos nos referindo a verdadeira potência sonora. RMS é a sigla de “Root Mean Square“ (Raiz Média Quadrada), que é aceita no mundo todo como forma de medir a potência de amplificadores e alto-falantes.

 

É simples medir o RMS de sua potência. Para realizar o teste é possível utilizar todo o sistema de som ou somente uma resistência elétrica (como a do chuveiro) que tenha a impedância mínima do seu módulo.

 

É comum as fábricas testarem os amplificadores até 1Khz, então regule seu equipamento e veja a voltagem do mesmo até a luz de clip acender. A potência é medida na própria saída do amplificador. Depois de conseguir a medida da voltagem, a potência será obtida por uma fórmula:

 

Potência = (voltagem de saída)² / impedância da resistência

Por exemplo: amplificador com saída de 80 volts e sobrecarga de 4 Ohms

Potência = 80² / 4 ➔ 6400 / 4 ➔ potência é igual a 1.600 Watts

 

Escolher a potência para seu som automotivo é simples, mas alguns aspectos devem ser levados em consideração, tais como: relação entre potência e alto-falantes, impedância, mono e estéreo e frequência.

 

    • Relação potência e alto-falantes: Se utilizar um alto-falante com potência inferior a do amplificador em que ele será ligado, você sobrecarregará o alto-falante, provocando a sua queima. O ideal é que a potência do alto-falante seja maior do que a potência do amplificador, mas a diferença não pode ser muito superior, pois dessa forma apresentará uma emissão sonora mais fraca.

 

    • Impedância: A impedância é uma resistência que faz a passagem da corrente elétrica em um circuito (bobina). A impedância dos seus alto-falantes deve sempre casar com a do seu amplificador, pois se a impedância do seu falante for menor do que a impedância do amplificador, você terá grandes chances de queimar ambos e, no contrário, você terá menor potência sonora.

 

    • Amplificadores mono e estéreo: O efeito estéreo é perceptível quando se recebe som por ambos os lados, geralmente em alto-falantes instalados nas portas, podendo enviar som de voz no falante direito e som de instrumentos no esquerdo, favorecendo os efeitos sonoros. Desta forma, nossos ouvidos conseguem captar as variações sonoras de um lado para o outro. Já o mono envia o mesmo volume para os dois lados, deixando o áudio com a sensação de menor qualidade sonora. Atualmente os amplificadores mono vêm com filtros low-pass, muito utilizado em subwoofers.

 

  • Frequência: Há 3 frequências bases para qualquer tipo de som:

– Low-pass (40hz – 160hz): O filtro low-pass elimina todas as frequências acima da frequência de corte, permitindo que passe somente frequências abaixo da frequência de corte. São utilizadas para controlar as frequências dos subwoofers e outros tipos de alto-falantes, bloqueando as mais agudas que não seriam transmitidas de forma eficiente.

 

– Mid-pass (180hz – 900hz): O filtro mid-pass elimina todas as frequências abaixo e acima da frequência de início de corte. É muito utilizada em alto-falantes midbass ou midranges.

 

– High-pass (1000hz – 20KHZ): Ao contrário do filtro Low-pass, o filtro high-pass elimina todas as frequências abaixo da frequência de corte, permitindo que passem somente as frequências acima da frequência de corte. Este filtro geralmente é utilizado em cornetas, tweeters e alguns alto-falantes enquanto bloqueia os sinais mais graves que poderiam interferir ou danificá-los.

 

Os módulos de potência com características citadas no texto têm seus preços iniciais em torno de R$ 200,00 e podem ultrapassar os R$ 1500,00. Mas também existem os crossovers que executam o filtro nas 3 frequências: low-pass, mid-pass e high-pass, com o preço variando de R$130,00 a R$350,00.

 

As potências preferidas pelos amantes de som automotivo são as da marca TARAMPS e Stetsom. Frequentadores de campeonatos e profissionais de oficinas que montam equipamentos recomendam com frequência potências dessas duas marcas.

 

Com as dicas do texto, basta a você amante de som automotivo procurar o que te interessa e aplicar o que foi escrito aqui. Se mesmo assim as dúvidas persistirem, procure um profissional gabaritado para lhe orientar. Ele certamente irá lhe auxiliar da melhor maneira possível.